06 agosto 2009

#302

é meio engraçado ser eu. quero dizer, se você abstrair dessa coisa de não ter dinheiro e tal. porque dentre as minhas habilidades recentemente adquiridas tem essa nova capacidade de sair pela rua bêbada e esquecer o que fiz (além daquela de chorar no fim da noite, já citada aqui). isso torna cada despertar único e rico em emoções. bem, desde que eu não acorde numa banheira cheia de gelo sem meus rins e demais órgãos vitais, não estou me importando muito. não é como se eu ainda tivesse alguma dignidade a manter.

hoje, por exemplo. acordei meio dia, com o cabelo transformado num ninho de mafagafos que faria inveja em amy winehouse. olhei para o chão. minhas roupas estavam ok. os sapatos estavam inteiros. bom começo. abri a bolsa. carteira, chaves, maquiagem, álcool gel (eu já era psicótica antes da gripe suína, gents), até minha faixa de cabelo, veja só. que orgulho. meu colar continuava no pescoço, e os anéis nos dedos. mas ué, que que o anel da mão esquerda tá fazendo na mão direita? eu só troco o anel de mão quando preciso escrever, porque me machuca. isso significa que...

nãããããããããão.

eu escrevi alguma coisa às seis da manhã. um poema, talvez. ode à maluca bêbada que foi a última a sair do bar, vagou, vagou e chegou ao calçadão sem saber como. ou talvez tenha sido só meu msn mesmo. isso. meu msn. ai, não, deus. eu dei meu msn prum argentino. pra porra do argentino boring que não me deixava dançar e dava expediente ao meu lado com uma cara ressentida como se eu fosse obrigada. tipo, eu aqui ocupada tentando me manter viva e sobre dois pés e você quer que eu interaja? em outra língua, ainda por cima?

boa, flipper.

(pausa para dizer aqui que eu realmente falo um inglês LEENDO depois da quinta cerveja, é outra das minhas habilidades adquiridas recentemente. falo francês também. será que se trocar as cervejas por vódegas eu vou falar russo? é algo a se testar.)

bem. ainda me odiando por ter dado meu email pruma pessoa (a) argentina, (b) chata, (c) com a qual não desejo manter nenhum tipo de contato em nenhuma língua, examinei minha bolsa com mais atenção e achei um papel com um email. mas o meu, não o do argentino. donde concluo que nós anotamos nossos respectivos emails e simplesmente não trocamos os papéis, hahahahaha.

bêbado é uma merda.

e eu super parabenizo o autor do voodoo que assola minha vida. olha, super competente você. mas cansei de brincar de viúva, ok? foi muito bom esperar e me enganar e jogar as tranças pela janela pra ninguém, mas agora já deu. favor tirar minha calcinha do freezer. grata.

5 comentários:

  1. como eu sou uma pessoa muito positiva, eu digo: pelo menos esse lance de anotar msn e não trocar o papel não aconteceu com o santoro (ou alguém que o valha). já pensou a DERROTA?

    carçola no freezer espanta homem como forma de simpatia ou foi só um pensamento da sua tão divertida pessoa? fiquei curiosa hahaha

    ResponderExcluir
  2. HUHAUAH. Muito divertido seu post! beijos

    ResponderExcluir
  3. Hahaha a gente faz muita coisa bêbado...Eu já perdi meu celular dentro do carro e tentei ligar desesperada, mas mal enxergava o teclado do telefone de casa...e pelo que eu pude perceber, você é canhota? Benvinda ao clube. Beijos!

    ResponderExcluir
  4. cara, seu email continua na sua bolsa. podia ter sido pior, muito pior [sim, sempre tem um otimista babaca]

    ResponderExcluir